Epifania


epifania[1]A Festa da Epifania

No dia 6 de janeiro celebra-se a festa da Epifania ou da Teofania. Originalmente, era a única festa cristã da manifestação de Deus ao mundo na pessoa de Jesus de Nazaré. Incluía a celebração do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, a adoração dos Reis Magos e todos os acontecimentos da infância de Jesus como a Circuncisão, a Apresentação no Templo, assim como o seu Batismo por São João no Rio Jordão. É quase certo que esta festa, como a Páscoa da Ressurreição e Pentecostes se entendia como o cumprimento de uma festa jadaica, neste caso, a Festa das Luzes.

A palavra Epifanía significa manifestação. Freqüentemente se refere a esta festa como a Teofanía, tal como se diz nos livros litúrgicos da Igreja Ortodoxa, palavra que significa Manifestação de Deus. A ênfase que se dá a esta festa hoje em dia está na vinda de Jesus como o Messias de Israel e o Filho de Deus, Um da Santíssima Trindade, junto com o Pai e o Espírito Santo.

Assim, em seu batismo por João no Jordão, Jesus se identifica diante dos pecadores como o «Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo» (Jo 1,29), o «Bem-Amado» do Pai, cuja tarefa messiânica é a de redimir os seres humanos de seus pecados. (Lc 3, 21; Mc 1, 35) É revelado como um da Santíssima Trindade de quem dá testemunho a voz do Pai e o Espírito Santo em forma de pomba. Os hinos da festa glorificam esta Epifania transcendental, isto é, manifestação.

Tropário da Festa

“Ó Senhor, batizando-te no rio Jordão,
manifestou-se a adoração da Trindade.
Porém a voz do Pai testemunhou, chamando-te Filho Amado
e o Espírito como pomba confirmou a exatidão da palavra.
Ó Cristo Deus, que vieste e iluminaste o mundo, glória a ti”.
.

Condaquion

Hoje, Senhor, te manifestaste ao Universo
e a tua luz brilhou sobre nós que,
conhecendo-te, a ti cantamos:
Vieste, apareceste, ó luz inacessível!
.

Os ofícios litúrgicos da Teofanía reproduzem os da Natividade, ainda que, o mais provável é que tenha sido a Epifania a que servir de modelo para a Natividade, já a Natividade só mais tarde foi estabelecida como festa, Na manhã da véspera da festa celebram-se as Horas Reais junto com as Vésperas e a Divina Liturgia de São Basílio, o Grande. A vigília da festa consiste em Completas Maiores e Matinas.

As profecias que são lidas na Teofania repetem as palavras de Isaías “Deus-conosco”, e enfatiza a predita vinda de seu precursor, São João Batista:

«Esta é a voz Daquele que grita no deserto: preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão aplainadas; as estradas curvas ficarão retas, e os caminhos esburacados serão nivelados. E todo homem verá a salvação de Deus.»

O versículo batismal de Gálatas 3, 27 situa outra vez o Trisagion. As leituras do Evangelho selecionadas para todos os ofícios da Teofania falam do Batismo de Jesus por João no Rio Jordão. A leitura da Epístola na Divina Liturgia fala das conseqüências da manifestação do Senhor:

«A graça de Deus se manifestou para a salvação de todos os homens. Essa graça nos ensina a abandonar a impiedade e as paixões mundanas, para vivermos neste mundo com autodomínio, justiça e piedade, aguardando a bendita esperança, isto é, a manifestação da glória de Jesus Cristo, nosso grande Deus e Salvador. Ele, se entregou a si mesmo por nós, para nos resgatar de toda iniqüidade e para purificar um povo que lhe pertence, e que seja zeloso nas boas obras.»

A característica principal da festa da Epifanía é a Grande Bênção das Águas. De acordo com as indicações da Igreja, esta bênção deve ser celebrada depois da Divina Liturgia, tanto na véspera da festa como na festa mesma. Na maioria das paróquias, não obstante, faz-se geralmente uma só vez e numa oportunidade em que um maior número de fiéis possa participar. Tem início com a entoação dos hinos especiais da Festa e, logo, o celebrante incensa a água posta antes num recipiente no meio do templo. Cercado por velas e, em alguns casos, também por flores, esta água representa o belo mundo da criação original de Deus e o mundo glorificado por Cristo no Reino de Deus. Às vezes esta bênção é feita fora, quando a igreja está situada próxima de um rio.

Hinos da Grande Bênção das Águas

A voz do Senhor faz-se ouvir sobre as águas, dizendo:
Vinde, todos, receber o espírito de sabedoria,
o espírito de inteligência, o espírito de temor de Deus,
do Cristo que se manifestou!

Hoje a natureza das águas se santifica
o Jordão se divide e suas águas deixam de correr;
porque nele se vê o Senhor sendo batizado.

Ó Cristo Rei, como homem vieste ao rio para batizar-te.
Tomaste a iniciativa para receber o batismo da mão do Precursor
como escravo, por nossos pecados,
ó amante da humanidade.

São lidas, na sequência, as três leituras da Profecia de Isaías sobre a era messiânica:

«Alegrem-se o deserto e a terra seca, o campo floresça de alegria; como o narciso, cubra-se de flores transbordando de contentamento e alegria.» (Is,35, 1-10)

Atenção! Todos os que estão com sede, venham buscar água. Venham também os que não têm dinheiro: comprem e comam sem dinheiro e bebam vinho e leite sem pagar… (Is 55, 1-13)

Com alegria vocês todos poderão beber água nas fontes da salvação

E nesse dia, vocês dirão: «Agradeçam a Javé, invoquem o seu nome, contem aos povos às façanhas que ele fez, proclamem que seu nome é sublime; cantem hinos a Javé, pois ele fez proezas; que toda a terra as reconheça. “Gritem de alegria e exultem, moradores de Sião, pois o Santo de Israel é grande no meio de vocês»… (Is 12, 3-6)

Depois da Epístola (I Coríntios 10, 1-4) e a leitura do Evangelho (Marcos 1,9-11), entoa-se uma litania maior especial na que se invoca a graça do Espírito Santo sobre a água e sobre todos aqueles que participaram dela. Encerra-se com a grande oração da glorificação cósmica a Deus na qual se suplica e se invoca Cristo que venha santificar a água, todos os seres humanos e a criação inteira pela manifestação de Sua Presença Divina, Salvífica e Santificadora, mediante a vinda do Santo, Bom e Vivificador Espírito.

Enquanto o tropário da festa é cantado o celebrante sumerge a cruz três vezes na água e logo procede a sua aspersão para os quatro pontos cardeais. Ato contínuo asperge todos os presentes com esta mesma água. Durante os dias que se segue à festa, prossegue abençoando as pessoas e os lugares com esta água abençoada que representa a salvação de toda humanidade e da criação inteira, que Cristo levou a cabo mediante sua Epifania na carne pela vida do mundo.

Algumas vezes se pensa que a bênção da água e a prática (costume) de tomá-la e aspergir sobre todas as pessoas e coisas é um costume pagão que, erroneamente, teria entrado na Igreja Cristã. Sabemos, não obstante, que este ritual foi praticado pelo povo de Deus no Antigo Testamento e que na Igreja Cristã tomou um significado novo e especial.

Pois, em nossa fé cristã, pela imersão de Cristo nas águas do Jordão, toda a matéria foi santificada e purificada nele, limpa de seus germes mortíferos herdados do demônio e da corrupção dos seres humanos. Na Epifanía do Senhor, toda a criação foi restaurada, voltando a ser boa de novo, por certo “muito boa”, tal como Deus mesmo a fez e proclamou que era no princípio quando “o Espírito de Deus se movia sobre as águas” (Gn 1, 2) e quando o “Espírito de Vida” estava no ser humano e em todo ser feito por Deus. (Gn 1, 30; 2,7)

O mundo e tudo quanto à nele certamente é “muito bom” (Gn 1, 31) e quando se torna contaminado, corrompido e morto, Deus novamente o salva mediante a “nova criação” em Cristo, seu Filho Divino e Nosso Senhor, pela graça do Espírito Santo. (Gal 6,15) Isto é o que se celebra na Epifania, e de modo muito especial, na Grande bênção das Águas. A consagração das águas nesta festa coloca o mundo inteiro, através de sua matéria elementar, á água, na perspectiva da re-criação, santificação e glorificação cósmicas do Reino de Deus em Cristo e no Espírito. Diz-nos que o fim último do ser humano e do mundo é ser “plenos de toda a plenitude de Deus” (Ef 3, 19), “a plenitude Daquele que tudo preenche”. (Ef 1, 23) Diz-nos que Cristo, em Quem “habita corporalmente toda a plenitude da Divindade”, é e verdadeiramente será “tudo em todos”. (Cl 2, 9; 3,11) Diz-nos, ainda, que “o novo céu e a nova terra” que Deus nos prometeu pelos seus profetas e apóstolos (Is 66, 22; II Pd 3, 13; Ap 21, 1) em verdade já estão “conosco” no mistério de Cristo e Sua Igreja.

Assim, a santificação da água na Festa da Epifania e o aspergir da água da Epifania não é nenhum ritual pagão, estranho a Igreja Cristã dos primeiros tempos. É a expressão da autêntica visão cristã do ser humano, de sua vida e de seu mundo. É o testemunho litúrgico de que a vocação e o destina da criação é de ser plenificada “de toda a plenitude de Deus”. (Ef. 3,19)

Oração da Santificação das Águas:

       No dia da Epifania

 Ao termino da Santa Missa, o sacerdote, dirige-se precedido das velas e da Santa Cruz, até a Pia Batismal, que estará cheia de água, enquanto o Coro canta os Hinos indicados para a Cerimônia, no fim dos quais o leitor lê as seguintes leituras.

Tom 8

          A voz do Senhor fez-se ouvir sobre as águas, dizendo: “Vinde, todos, receber o espírito de Sabedoria, o espírito de Inteligência, o espírito de Temor de Deus, do Cristo que se manifestou”.

    Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Agora, sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

    Após ter tomado, Senhor, a forma de servo, viestes ao chamado daquele que clama no deserto: “Preparai o caminho do Senhor”. Pediste o Batismo, tu que não conheceste o pecado. As águas te viram e foram tomadas de espanto; o Precursor pôs-se a tremer e exclamou: “Como pode a lamparina iluminar a Luz? Como pode o servo impor as mãos ao Senhor?” Santifica-me, Senhor, assim como às águas, tu que tiras os pecados do mundo. 

Primeira Leitura

 Leitor: LEITURA DA PROFECIA DO PROFETA ISAÍAS 35: 1a 10

 Sac.: Estejamos atentos.

 Leitor: Eis o que diz o Senhor: O deserto e a terra árida regozijar-se-ão. A estepe vai alegrar-se e florir. Como o lírio ela florirá, exultará de júbilo e gritará de alegria. A glória do Líbano lhe será dada, o esplendor do Carmelo e de Saron; será vista a glória do Senhor e a Magnificência do nosso Deus. Fortificai as mãos desfalecidas, robustecei os joelhos vacilantes. Dizei àqueles que têm o coração perturbado: Tomai ânimo, não temais, eis vosso Deus, Eis que vem concluir a vingança. Eis que chega a retribuição de Deus, Ele mesmo vem salvar-vos. Então se abrirão os olhos do cego, e se desimpedirão os ouvidos dos surdos; então o coxo saltará como um cervo, e a língua do mundo dará gritos de alegria. Porque as águas jorrarão no deserto e as torrentes, na estepe. A terra queimada se converterá num lago, e a região de sede, em fontes. No covil dos chacais crescerão caniços e papiros. E haverá uma vereda pura, que se chamará o caminho santo; nenhum ser impuro passará por ele, e os insensatos não rondarão por ali. Nele não se encontrará leão, nenhum animal feroz transitará por ele, mas por ali caminharão os remidos, por ali voltarão aqueles que o Senhor tiver libertado. Eles chegarão a Sião com cânticos de triúnfo, e uma alegria eterna coroará suas cabeças; A alegria e o gozo possuí-los-ão, a tristeza e os queixumes fugirão.

Segunda Leitura

 Leitor: LEITURA DA PROFECIA DO PROFETA ISAÍAS 55: 1a13

 Sac: Estejamos atentos.

 Leitor: Eis o que diz o Senhor: Todos vós que estais sedentos, vinde à nascente das águas, vinde comer, vós que não tendes alimento. Vinde comprar trigo sem dinheiro, vinho e leite sem pagar. Por que despender vosso dinheiro naquilo que não alimenta, e o produto de vosso trabalho naquilo que não sacia? Se me ouvis, comereis excelentes manjares, uma suculenta comida fará vossas delicias. Prestai-me atenção, e vinde a mim, escutai e vossa alma viverá; Quero celebrar convosco uma eterna aliança, outorgando-vos os favores prometidos a Daví. Farei de ti um testemunho para os povos, um condutor soberano das nações, conclamarás povos que nunca conheceste, e nações que te ignoravam acorrerão a ti, por causa do Senhor teu Deus, e do Santo de Israel que fará tua glória. Buscai o Senhor, já que Ele se deixa encontrar, invoca-o, já que está perto. Renuncie o malvado à sua conduta, e o pecador a seus projetos; Volte ao Senhor, que dele terá piedade, e a nosso Deus que perdoa generosamente. Pois meus pensamentos não são os vossos, e vosso modo de agir não são os meus, diz o Senhor, mas tanto quanto o céu domina a terra, tanto é superior à vossa a minha conduta e meus pensamentos ultrapassam os   vossos. Tal como a chuva e a neve caem do céu, e para lá não voltam sem ter regado a terra, sem a ter fecundado, e feito germinar as plantas, sem dar o grão a semear e o pão a comer, assim acontece à palavra que minha boca profere: Não volta sem ter produzido seu efeito, sem ter executado minha vontade e cumprido sua missão. Sim partireis com júbilo, e sereis reconduzidos em paz: montanhas e colinas aclamar-vos-ão, e todas as árvores do campo vos aplaudirão. Em lugar da urtiga, crescerá a murta; e será para o renome do Senhor, um titulo para sempre imperecível.

 Terceira Leitura

 Leitor: LEITURA DA PROFECIA DO PROFETA ISAÍAS 12: 3 a 6

Sac.:  Estejamos atentos.

Leitor:  Eis o que diz o Senhor: Tirais com alegria água das fontes da salvação, direis naquele tempo: Louvai o Senhor, invocai o seu Nome, fazei que suas obras sejam conhecidas entre os povos; proclamai que seu Nome é Sublime. Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas, que isto seja conhecido por toda a terra. Exultai-vos de gozo e alegria, habitantes de Sião, porque é grande no meio de vós, o Santo Deus.

 Epístola

 Sac: Estejamos atentos.

 Leitor: O Senhor é minha Luz e minha Salvação;

O Senhor é o Protetor de minha vida.

Sac: Com Sabedoria,

 Leitor: Leitura da Primeira Epístola do Santo Apóstolo Paulo aos        Coríntios. 10: 1a 4

 Sac.: Estejamos atentos.

         Leitor: Irmãos, não quero que ignoreis, que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e que todos atravessaram o mar; Todos foram batizados na nuvem e no mar; todos comeram do mesmo alimento espiritual; todos beberam da mesma bebida espiritual, pois todos beberam da pedra espiritual que os seguia; e essa pedra era Cristo.

Sac: A paz esteja contigo Leitor.

Coro: Aleluia, Aleluia, Aleluia.

 Evangelho

 Sac.: Levantemo-nos para ouvir com Sabedoria o Santo Evangelho.

 A paz esteja com todos vós.

Coro: E com o teu espírito.

 Sac.: Leitura do Santo Evangelho, segundo o Evangelista São Marcos 1: 9 a 11

 Coro: Glória a Ti ó Senhor, glória a Ti.

 Sac.: Estejamos atentos.

          Naqueles dias veio Jesus de Nazaré, da Galiléia,   e foi batizado por João no Jordão. No momento em que saía da água, viu os céus abertos, e descer o Espírito, em forma de pomba sobre ele. E ouviu-se dos céus uma voz dizendo: “Tu és o meu Filho amado; em ti ponho minha alegria”.

 Coro: Glória a Ti ó Senhor, glória a Ti.

Suplicas

 Sac.: Em paz roguemos ao Senhor.

 Coro: Tem piedade Senhor.(segue-se assim em todas as demais invocações)

 Sac: Pela excelsa paz e a salvação das nossas almas, roguemos ao Senhor.

Sac: Pela paz do mundo inteiro, pela estabilidade das Santas Igrejas de Deus, e pela união de todos, roguemos ao Senhor.

 Sac: Por esta Casa Santa, e por aqueles que nela entram com fé, devoção e temor de Deus, roguemos ao Senhor.

 Sac: Pelo nosso pai e Patriarca João, pelo venerável Presbitério e Diáconato em Cristo, e por todo o Clero e o povo roguemos ao Senhor.

 Sac: Por esta cidade, por toda cidade e país, e por aqueles que os habitam com fé, roguemos ao Senhor.

 Sac: Pela salubridade dos ares, pela abundância dos frutos da terra, e por tempos pacíficos, roguemos ao Senhor.

Sac: Pelos viajantes, enfermos, aflitos, cativos, e  por sua salvação, roguemos ao Senhor.

Sac: Pela santificação desta água com o poder, a eficácia e o derramamento do Espírito Santo, roguemos ao Senhor.

Sac: Pela purificação desta água com  o  poder  da Trindade Consubstancial, roguemos ao Senhor.

Sac.: Para que se lhe conceda a graça da redenção, e a bênção, do Jordão, roguemos ao Senhor.

Sac.: Para que sejamos iluminados pela luz da sabedoria e da devoção, com a descida do Espírito Santo, roguemos ao Senhor.

Sac: Para que esta água seja dom santificante, para remissão dos pecados, cura da alma e do corpo, e para toda utilidade conveniente, roguemos ao Senhor.

Sac: Para que esta água seja fonte da vida eterna, roguemos ao Senhor.

Sac: Por aqueles que dela levam para a santificação das casas, roguemos ao Senhor.

Sac: Para que sirva de purificação para todos que dela tomam com fé, roguemos ao Senhor.

Sac: Para que sejamos dignos de ser santificados, ao tomarmos desta água santificada com a descida do Espírito Santo, roguemos ao Senhor.

 Sac: Para que o Senhor Deus atenda, a nossa súplica, de pecadores, e tenha piedade de nós, roguemos ao Senhor.

Sac: Para livrar-nos de toda tribulação, ira, perigo e necessidade, roguemos ao Senhor.

Sac: Ampara-nos, salva-nos, tem piedade de nós,  e guarda-nos, ó Deus, pela tua graça

Sac.: Comemorando a Santíssima, puríssima Bendita e Gloriosa, Senhora nossa, Mãe de Deus, e sempre Virgem Maria, com todos os Santos, encomendemo-nos mutuamente, uns aos outros e toda a nossa vida a Cristo Deus.

 Coro: A Ti Senhor.

          Oração

          Sac.: Ó Santíssima  Trindade,  Consubstancial ,  Bondosa, Divindade Poderosa, Onisciente, Invisível, Indecifrável, Criadora do bom-senso nas criaturas humanas, luz inacessível que ilumina a todos os homens que vem ao mundo; ilumine-me, eu que sou teu servo falho de merecimento; ilumine os olhos de minha mente a fim de que eu possa louvar teus inúmeros favores e teu poder ilimitado. Que sejam aceitas minhas súplicas, por este povo que está aqui, e que meus pecados não impeçam a presença de teu Santo Espírito. Permita-me, ó Bondoso, clamar a Ti sem condenação e dizer:

+       GLORIFICAMOS-TE Ó SENHOR, MISERICORDIOSO,        ONIPOTENTE E REI ETERNO: (3 vezes).

         Glorificamos-te ó Filho Unigênito de Deus, que é sem pai corporal do lado materno e sem mãe pelo lado paterno. Criança te vimos na festa passada, porém, adulto te vemos nesta presente festa, ó nosso Senhor, perfeita manifestação do perfeito. Chegamos hoje a esta festa, os Santos se unem a nós e os anjos festejam com os homens;

         Hoje, a graça do Espírito Santo desceu sobre as águas em forma de pomba;

         Hoje, nasceu o sol que não tem poente, e o mundo se ilumina pela luz de Deus;

         Hoje, a lua brilha ao mundo com raios resplandecentes;

         Hoje, os astros luminosos embelezam o universo pelo resplendor de suas luzes;

         Hoje, as chuvas caídas do céu, inundam de justiça a humanidade;

         Hoje, o incriado aceita a imposição da mão de sua criação;

         Hoje, o profeta precursor aproxima-se do Senhor, mas, se detem temeroso ao ver Deus entre os homens;

         Hoje, as águas do Jordão tornaram-se curadoras  com a presença de Deus;

         Hoje, toda Criação se satisfaz das correntezas místicas;

         Hoje, se perdoam os pecados da humanidade pelas águas do Jordão;

         Hoje, se abriu o paraíso aos homens, e nasceu para nós o Sol da Justiça;

         Hoje, a água amarga da era de Moisés se torna doce com a presença do           Senhor;

         Hoje, fomos salvos das velhas lástimas, e como um Novo Israel fomos salvos;

         Hoje, escapamos da escravidão, e pela luz do conhecimento do Senhor; fomos iluminados;

         Hoje, as trevas do mundo se aniquilam com a presença de Nosso Deus;

          Hoje, toda Criação recebe a iluminação do Alto;

         Hoje, foi destruída a ignorância e a vinda do Senhor traçou para nós a vereda da salvação;

         Hoje, os divinos festejam com os humanos, e estes se comunicam com os divinos;

         Hoje, a união venerada dos ortodoxos de grande vocação, se alegra;

         Hoje, o Senhor veio para ser batizado, a fim de elevar os homens ao Alto;

         Hoje, o Indeclinável se declina diante de seu servo para salvar-nos da escravidão;

         Hoje, adquirimos o Reino Celeste, o Reino de Deus Infinito;

         Hoje, a terra e o mar compartilham a alegria, o mundo e tudo que ele contém se enche de júbilo;

         Ó Deus, a água Te viu e ficou temerosa, o Jordão retrocedeu ao ver o fogo da divindade descendo sobre ele;

         O Jordão retrocedeu ao ver o Espírito Santo descendo em forma de pomba sobre Ti;

         O Jordão retrocedeu ao ver o Invisível, visível; o Criador encarnado e Senhor;

         O Jordão retrocedeu; as montanhas se alegraram ao ver um Deus encarnado; as chuvas sussurraram admirando aquele que vem e que é luz de luz e Deus Verdadeiro de Deus Verdadeiro, que afundou no Jordão o dragão do pecado, a força da perdição e o laço do inferno, dando ao mundo em troca o Batismo da salvação.

         Pôr isso, eu, teu servo pecador, falho de merecimento, conforme proclamo a grandeza de tuas maravilhas, sinto-me temeroso e clamo devotamente dizendo:

          GRANDE ÉS Ó SENHOR, E ADMIRAVEIS SÃO AS TUAS OBRAS, E NENHUMA PALAVRA CORRESPONDE AO LOUVOR DAS TUAS MARAVILHAS. (3 vezes).

                    Coro: Glória a Ti ó Senhor, glória a Ti.

                 Sac.: Porque Tu, com a tua vontade, fizeste aparecer todas as coisas do nada para a vida; com a tua Força mantém a Criação; com a tua solicitude governas o mundo; organizaste o mundo dos quatro elementos e aperfeiçoaste o ciclo do ano em quatro estações. Perante Ti tremem as forças celestes; a Ti louva o Sol, glorifica a Lua, submetem os astros, obedece a luz, temem os mares e adoram as fontes.

         Tu estendeste o Céu como tenda; firmaste as terras e as águas; delimitaste os mares com lençóis de areia; fizeste o ar para a respiração; A Ti servem as forças angélicas; os coros dos arcanjos Te adoram; os inúmeros Querubins de muitos olhos, e os Serafins de seis asas revoando em tua presença, se confundem perante   a tua glória inacessível .

         Sendo tu Deus Eterno, Incomparável e Inefável, desceste sobre a Terra, tomando forma humana e não suportando, Senhor, por tua misericórdia, ver o ser humano subjugado pelo Demônio, vieste para nos salvar; por isso, Senhor, rendemos-Te graças, proclamamos a tua Misericórdia, e não ocultamos os teus favores.

         Tu remiste o ser humano, santificaste o ventre da Virgem por teu nascimento, e assim te louvou toda criatura quando apareceste; Porque Tu és nosso Deus, que apareceu na Terra e viveu entre os homens,  santificado  também  as  correntezas do Rio Jordão ao mandar do Alto sobre elas o teu santíssimo Espírito, esmagando destarte as cabeças dos dragões nelas aninhadas.

 TU, POIS, Ó REI MISERICORDIOSO, ASSISTE AGORA, PELA DESCIDA DO ESPÍRITO SANTO E SANTIFICA ESTA ÁGUA. (3 vezes)

  Coro: Amém.

          Sac.: Dá-lhe a graça de redenção, a bênção do Jordão, torna-a fonte da incorruptibilidade. Dom santificante, regeneradora dos pecados, remédio para as dores. Destruidora dos demônios, inacessível às forças inimigas, cheia de poder angélico afim de que seja, a todos que dela tomem, purificação para as almas e para os corpos, cura para as dores, para santificar as casas, e conveniente a todas as utilidades; Porque tu és nosso Deus, que com a água e o Espírito renovaste a natureza humana envelhecida pelo pecado.

         Tu és nosso Deus, que afogaste o pecado nas águas na era de Noé;

         Tu és nosso Deus, que no mar livraste os israelitas da escravidão do Faraó na era de Moisés;

         Tu és nosso Deus, que quebraste a pedra, donde jorrou a água que inundou os vales e saciou a sede de teu povo sedento;

         Tu és nosso Deus, que salvaste Israel da perdição de Baal na era de Elias.

                 “TU SENHOR, AGORA, SANTIFICA ESTA ÁGUA COM TEU SANTO ESPÍRITO”. (3 vezes).

         Concede a todos que dela tomem ou se ungem,      a santificação, a bênção, a purificação e a saúde.

          Lembra-te ó Senhor, de nossos governantes.

         Ampara-os sob tua proteção em paz; faze com que a eles se submeta todo inimigo; dá-lhes tudo o que necessitam para a salvação e a vida eterna.

         Lembra-Te, Senhor, de nosso Pai e Patriarca João, de todos os sacerdotes, dos diáconos em Cristo, de todo o Clero, do povo que está o nosso redor, dos nossos irmãos ausentes por motivos justificados; compadece-Te deles e de nós segundo a tua grande Misericórdia, a fim de que seja glorificado teu Santíssimo Nome, pelos anjos, pelos homens e pela criação visível e invisível, com o Pai e o Espírito Santo, agora, sempre e pelos séculos dos séculos.

         Coro: Amém.

        Sac: A paz esteja com todos vós.

        Coro: E com o teu espírito.

        Sac: Inclinemos nossas cabeças perante o Senhor.

       Coro: A Ti Senhor.

          Sac: Ouve e atende-nos, Senhor, que santificaste     a água ao aceitar o Batismo no Jordão; abençoe-nos todos, que pelo sinal da inclinação de nossas cabeças, simbolizamos nossa submissão, concede-nos graça da santificação ao tomarmos esta água ou ao aspergí-la, e que seja para nós saúde da alma e do corpo.

        Sac: Porque Tu és a santificação de nossas almas  e de nossos corpos, a Ti rendemos glória, agradecimento, e prosternação com teu eterno Pai, juntamente com o teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora, e sempre e pelos séculos dos séculos.

        Coro: Amém.

A seguir o Sacerdote abençoa água com a Santa Cruz. Cantando o Hino do Batismo: Tropário da Epifania       (3 vezes) e asperge a Igreja.

 O SENHOR BATIZANDO-TE NO RIO JORDÃO MANEFESTOU-SE A ADORAÇÃO DA TRINDADE PORÉM A VOZ DO PAI TESTEMUNHOU CHAMANDO-TE FILHO AMADO, E O ESPÍRITO COMO POMBA CONFIRMOU A EXATIDÃO DA PALAVRA. O CRISTO DEUS QUE VIESTE E ILUMINASTE O MUNDO. GLÓRIA A TI.

 Em seguida, aproximam-se os fiéis e tomam da água ou levam para suas casas).