Batismo


Na Igreja Ortodoxa hoje, como na Igreja dos primeiros séculos, os três sacramentos da iniciação Cristã – Batismo, Crisma, Primeira Comunhão – são ligados. Um Ortodoxo que se torna um membro de Cristo é admitido aos privilégios completos de tal sociedade.

Crianças Ortodoxas não são só batizadas na infância, mas confirmadas na infância, e recebem comunhão na infância …”deixai vir a mim os pequeninos e não o impeçais; porque deles é o Reino dos Céus” (Mt. 19:14).

Existem dois elementos essenciais no ato do Batismo: a invocação do nome da trindade, e a tripla emersão em água. O padre diz: o servo de Deus… (Nome) é batizado em nome do Pai, amém. E do Filho, amém. E do Espírito Santo, amém. Quando o nome de cada pessoa da Trindade é mencionado, o padre mergulha a criança na fonte ou enfiando-a inteiramente sob a água, ou de qualquer forma, derramando água sobre o corpo completo. Se a pessoa a ser batizada esta tão doente que a imersão colocaria em risco a sua vida, então é suficiente derramar água sobre sua fronte; mas, de outra forma, a imersão não deve ser omitida.

Os Ortodoxos estão muito aflitos pelo fato que o Cristianismo Ocidental, abandonando a antiga prática do Batismo por imersão, está agora satisfeito em meramente derramar um pouco de água sobre a cabeça do candidato. A Ortodoxia vê a imersão como essencial (exceto em emergências), pois se não há imersão, a correspondência entre o sinal exterior e o significado interior está perdida, e o simbolismo no sacramento é destruído. O Batismo significa um enterro místico e uma mística ressurreição com Cristo (Ro 6:4-5 e Col 2:12); e o sinal exterior desse sacramento é o mergulho do candidato na fonte, seguido por sua imersão na água. O simbolismo sacramental, portanto, requer que o candidato seja imerso ou “enterrado” nas águas do Batismo, e então “ressuscitado” das águas mais uma vez.

Através do Batismo, nos recebemos o perdão completo de nossos pecados, sejam o original ou os presentes; nós “nos pomos em Cristo,” tornando-nos membros de seu Corpo, a Igreja. Para lembrarem-se de seus Batismos, os Cristãos ortodoxos usam normalmente por toda a vida uma pequena Cruz, pendurada no pescoço por uma corrente.

O Batismo deve ser normalmente executado por um bispo ou padre: Em casos de emergência, pode ser feito por um diácono, ou por qualquer homem ou mulher, desde que sejam Cristãos Ortodoxos. Mas enquanto os teólogos Católico-Romanos sustentam que, se necessário, até um não Cristão pode administrar o Batismo, a Ortodoxia sustenta que isso não é possível. A pessoa que batiza deve, ela própria, ter sido batizada.

 

EXPLICANDO O RITO

I – Padrinho e Madrinha - são os pais espirituais do batizando os quais têm a grave responsabilidade de educadores na fé, pautando suas vidas pelo proceder cristão. Serão exemplos e referência.

II – Renuncio e Creio - estas duas palavras nem sempre são ditas com consciência e responsabilidade, precisam ser maturadas. Os padrinhos respondem pelo batizando. A renúncia a Satanás e todas as suas obras precede a recitação do Credo que é uma síntese da Doutrina Cristã.

III- Tríplice Imersão - o Batismo é feito em nome do Deus Trino e Uno conforme determinou Jesus na fórmula, contida em Mateus 28:19-20. .”Batizai em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

IV – Pia Batismal - alude ao ventre da Igreja que gera filhos para Deus. Remete ao sepulcro de Cristo com sua morte mas também à sua Ressurreição.

V- Unção - o sacerdote unge a testa, os ouvidos, o peito , as costas, mãos e pés do batizando, habilitando-o para os combates que seguirão ao longo da vida.Antigamente, os combatentes eram ungidos, bem como os reis. A unção também alude à construção do batismo que começa na Pia Batismal, mas se constrói ao longo da vida.

VI – Crisma e Comunhão - razões pastorais e teológicas justificam que se ministrem a Crisma e a Comunhão ao neo-batizando, no mesmo dia, em seqüência ao Batismo. Aquele que é batizado precisa da força do Espírito Santo, que assinala com Selo e os Dons para a vida. A Comunhão é a primeira refeição que a Mãe Igreja nos proporciona, é o alimento excelente, o verdadeiro Corpo e Sangue de Jesus, razão da nossa vida.

VII – Velas - da chama da vela são irradiadas a luz e o calor, categorias que aludem a Cristo que é Luz do Mundo. A vela simboliza a fé do cristão e é uma modalidade de oração continuada à presença do orante.

VIII – Procissão - a Igreja é definida como “povo que caminha”. Esta caminhada é em demanda à Casa do Pai e aquele que nos conduz ao Pai é o Cristo que nos diz: “ninguém vai ao Pai a não ser por mim. Eu sou o Caminho”. Em nosso caminhar e em nosso viver, tenhamos Jesus como a nossa Luz. A marcha em sentido anti-horário remete à intemporalidade que para nós está reservada.

IX- Leituras - a primeira leitura é extraída da Carta de São Paulo aos Romanos 6: 3- 11, a qual nos recorda que com o Batismo somos revestidos de Cristo.

X- Tonsura - o sacerdote corta uma porção do cabelo do batizando, remetendo à antiga prática da tosquia das ovelhas a indicar a pertença ao rebanho de Cristo no acatamento e obediência.