Sinal da Cruz


sinal_cruz[1]Fazer o sinal da cruz se reveste de especial importância, pois, à maneira ortodoxa, equivale a uma profissão de fé: devemos estender unidos os dedos polegar, indicador e médio da mão direita, enquanto os outros dois (anelar e mínimo) se apóiam na palma da mão; e assim levamos a mão à fronte, ao peito, ao ombro direito e, finalmente, ao ombro esquerdo, enquanto invocamos a Santíssima Trindade: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Os três dedos unidos simbolizam as três pessoas da Santíssima Trindade, Um Só Deus. Os dois dedos na palma da mão simbolizam a dupla natureza de Jesus Cristo: divina e humana, enquanto a palma da mão simboliza o ventre da Santíssima Virgem, no qual o Deus-Homem se encarnou.

Leva-se a mão à fronte, e, em seguida, ao peito, porque Cristo, o Verbo Eterno, desceu dos Céus, como dizemos na Profissão de Fé (Credo), e se encarnou; depois tocamos o ombro direito porque o Credo diz que o Senhor, após se encarnar, exercer seu ministério salvífico, morrer e ressuscitar por nós, “subiu aos Céus e sentou-se à direita do Pai.

Enquanto fazemos o sinal da cruz, estamos também pedindo ao Senhor que nos conceda bons pensamentos (fronte), bons sentimentos (peito) e forças (ombros).

Tal maneira de persignar-se (fazer o sinal da cruz = persignação) era comum na Igreja Universal até o século XIII, após o que foi conservado no Oriente Cristão.

Entendendo, pois, a razão e o sentido desta prática de nossa fé, devemos fazer o sinal da cruz sem pressa e não impensadamente.