Igreja São Nicolau

“Em Antioquia, os discípulos foram pela primeira vez chamados cristãos.” (Atos 11:26)

Catedral

Até o final da década de 1930 os fiéis ortodoxos de São Paulo tinham somente a pequena igreja da antiga Rua Itobi, hoje Rua Cavalheiro Basílio Jafet, na região da Rua 25 de Março, para praticar seus ritos e cumprir os preceitos religiosos.

Em 1939 foi comprado um terreno na Rua Vergueiro, no bairro do

Paraíso, onde foi construído o mais esplendoroso e maior templo bizantino da América do Sul, dedicada ao Santo Apóstolo Paulo, padroeiro da cidade. Seu projeto foi concebido pelo arquiteto Paulo Taufik Camasmie, em puro estilo bizantino, nos moldes da grande Basílica de Santa Sofia de Constantinopla (atual Istambul na Turquia).

Seu interior é revestido de mármore, mesmo material no qual foi trabalhado o belo iconostácio vindo da Itália, doado por Assad e Gorgie Assad Abdalla. A Catedral não só tem a função de manter a pura continuidade dos ritos e da tradição da Igreja Ortodoxa em terras brasileiras, como também de ser um centro de informação e difusão da espiritualidade e vivência do Cristianismo Ortodoxo para todas as pessoas e grupos que nos procuram para ter um conhecimento mais profundo sobre os vários temas relacionados à Ortodoxia: sua arquitetura, cântico litúrgico, seu papel e participação ecumênicos no desenvolvimento de relações com as várias denominações cristãs e religiões não cristãs presentes em nosso país.

        Na secretaria da Catedral o atendimento à comunidade, de segunda-feira a sábado, é diversificado, através do qual os fiéis e amigos podem ter esclarecimentos sobre os sacramentos e todas as cerimônias, bem como ali são desenvolvidos trabalhos de cunho pastoral e catequético, para que todos possam ter uma maior proximidade com nossa comunidade de fé.

      A Catedral, por ser sede da Arquidiocese, tem a presença constante de seu superior maior, Dom Damaskinos Mansour, Arcebispo Metropolitano de São Paulo e todo o Brasil, na função desde 1997, coadjuvado por Dom Romanós Dawoud, Bispo Auxiliar, e pelos reverendos Padres, Diáconos e Hipodiáconos de nosso Clero, assim como por um grupo de leigos que compõem os conselhos da Igreja.

      A Catedral, atualmente, integra o guia turístico da cidade de São Paulo e foi recentemente restaurada. A primeira fase da restauração teve como foco principal a recuperação da fachada, a impermeabilização do teto e o reforço de sua estrutura. As cúpulas também foram revestidas com lâminas de metal dourado, foram colocados holofotes no interior das torres e o carrilhão dos sinos foi recuperado. A Catedral está aberta a visitação pública no horário de funcionamento da secretaria. Excursões e grupos de estudo deverão agendar antecipadamente, por telefone, dia e horário.

A ARQUITETURA DA CATEDRAL

A Catedral Metropolitana Ortodoxa é uma construção típica da arquitetura bizantina, inspirada na Basílica de Santa Sofia em Constantinopla, capital do Império Bizantino, atual Istambul, localizada no território da Turquia, como já dito anteriormente. A arte bizantina tem como objetivo expressar a autoridade absoluta do Imperador, considerando-o sagrado, um representante de Deus com poderes temporais e espirituais. No caso da Catedral Ortodoxa de São Paulo, destaca-se o equilíbrio de uma grande cúpula sobre uma planta quadrada. Internamente possui uma sucessão de janelas e arcos, criando um espaço de grande beleza e amplitude.

        A pintura interna merece destaque. Seus vitrais são verdadeiras obras de arte, bem assim os ícones pintados em afrescos e telas, revestindo as paredes internas. No altar e nas laterais há fileiras de colunas marmorizadas cujos capitéis dourados são em estilo coríntio. Seu revestimento interno é feito em mármore da região de Carrara (Itália), inclusive o iconostácio, diferenciando-o de outras igrejas ortodoxas que, na sua maioria, utilizam a madeira como matéria prima.

         O Iconostácio da Catedral Ortodoxa Metropolitana contém 65 ícones e é encimado por três cruzes (“tripostatos”, palavra de origem grega que significa a localização do  tríplice altar para o sagrado ofício da Santa Missa). No centro, onde há a porta régia, pode-se observar do lado direito ao ícone de Jesus Cristo, a imagem de São João Batista, o precursor de Jesus e do lado esquerdo, a imagem de Nossa Senhora e do padroeiro da Igreja, que neste caso é o Santo Apóstolo Paulo.

         Outros ícones compoem o iconostácio, dentre os quais destacam-se Santo Elias, São Jorge, os Arcanjos Rafael, Miguel e Gabriel, a Anunciação da Virgem Maria, Santo Inácio, Santa Bárbara, Santa Tacla, Santa Maria do Egito, São João Crisóstomo, São João Damasceno, São Cosme e São Damião e os doze Apóstolos.

        No lugar de Judas Iscariotes, o Traidor, encontra-se o ícone de São Matias, que é o Apóstolo escolhido pelos discípulos de Cristo, conforme consta da Sagrada Escritura (Atos, 2; 15-26).