Igreja São Nicolau

“Em Antioquia, os discípulos foram pela primeira vez chamados cristãos.” (Atos 11:26)

História

Breve História da Ortodoxia no Brasil

o Brasil constituiu-se na primeira Arquidiocese Ortodoxa do Trono Antioquino na Américado Sul

Por Dom Ignatios Ferzli
(in memoriam)

A Imigração.

De acordo com o historiador Yacoub Audat, no livro “Os árabes na América do Sul”, os imigrantes árabes vieram para o Brasil em busca de uma vida melhor. Mas, a verdade é que a imigração dos árabes em geral e dos sírios e libaneses ortodoxos em particular, aconteceu por motivo de perseguições do Império Otomano (turco) contra os cristãos em 1860, ano de trágicos acontecimentos. Os imigrantes trouxeram com eles a eterna herança espiritual dos seus antepassados, quer dizer, a ortodoxia.

No início da ortodoxia no livro “História da imigração no Brasil – As famílias” há um trecho que fala exatamente desse período, o início da história dos ortodoxos: “Acompanhando o movimento espiritual, encontramos em São Paulo, em janeiro de 1897, o Padre Mussa Abi Haidar , que após celebrar a Santa Missa, em um salão especialmente adaptado, à rua 25 de março 115, organizou a primeira procissão ortodoxa realizada na América do Sul. Logo depois disso, os ortodoxos iniciaram a construção de igrejas por iniciativa própria, e assim foram considerados Ortodoxos Antioquinos na Diáspora “.

O Santo Sínodo da Igreja Católica Apostólica Ortodoxa Antioquina, sob a presidência do Patriarca Gregório Haddad , tomou a decisão de consagrar em 1922, o Bispo Michæl Chehade para o Brasil. Ele serviu alguns anos e faleceu no dia 7 de julho de 1931.

A primeira Igreja Ortodoxa.

Em 1904 foi construída em São Paulo a primeira Igreja, ao tempo do Arquimandrita Silvestros As-Seghir, a de Nossa Senhora, à rua Cavaleiro Basílio Jafet, nº 115 – então rua Itobi. A construção foi custeada por Michel Assad e a missa de inauguração foi celebrada pelo Cônego Nicola Sáfadi . Mais tarde o sino dessa igreja, a título de relíquia, foi transferido para a Catedral, onde se encontra exposto até hoje. Está à esquerda de quem entra, exposto no altar do ícone da Ceia das Bodas de Caná. Este sino tem de um lado a seguinte inscrição: “Esta Igreja pertence ao Rito Grego-Ortodoxo, foi construída por iniciativa do Conselho Administrativo Ortodoxo de São Paulo, às expensas dos Sírios e Libaneses da Colônia, em 1904” . Do outro lado diz: “Uma Cruz, e Sydow Irmão – São Paulo”.

As Igrejas Ortodoxas Antioquinas na Arquidiocese de São Paulo e todo o Brasil.

Seguindo a ordem cronológica, foram construídas as seguintes igrejas:

1904– Anunciação à Nossa Senhora (primeira Igreja Ortodoxa)-SP
1925– São Jorge, em Ituverava-SP.
1927– Santo Elias, o Profeta, em Guaxupé-MG.
1933– São Jorge, em Bariri-SP.
1936– São Jorge, em São José do Rio Preto-SP.
1937– São Jorge, no Lar Sírio Pró-Infância, São Paulo.
1938– São Jorge, em Belo Horizonte-MG.
1952– São Jorge, em Santos-SP.
1954– São Jorge, em Curitiba-PR.
1955– São Nicolau, em Goiânia-GO.
1958– São Jorge, em Anápolis-GO.
1959– Nossa Senhora – Tsambica, em Lins-SP.
1962– Padre Ibrahim, na Sociedade Beneficente A Mão Branca, SP.
1978– São João Batista, em Ipameri-GO.
1986– Paróquia São Pedro Apóstolo – Padre Aloísio Guerra, em Recife (PE)
1995– Igreja São Jorge de Brasília

A chegada de Dom Ignatios Ferzli

A missão Dom Ignátios Huraiki, então bispo de Hama – Síria, foi coroada de êxito e lançou as bases para a elevação do Brasil à categoria de Arquidiocese. Dom Huraiki fora enviado ao Brasil pelo Patriarcado de Antioquia, uma vez que a comunidade Ortodoxa Antioquina possuia, já naquela época, grande expressividade e representatividade, com a missão de criar uma comissão para a construção da Catedral de São Paulo, a criação da Liga das Senhoras Ortodoxas, um Colégio e o Arcebispado.

Assim, em 1958, ainda na época do Vigário Patriarcal, o Arquimandrita Isaías Abboud, chegava ao Brasil Dom Ignatios Ferzli, assumindo o posto de Metropolita. Dom Ignátios, nascido em Zahle, Líbano, era ainda diácono em Alexandria, Egito, quando foi estudar na Academia Teológica de Constantinopla. Lá estudou com o colega grego Partênios Coinidis, que foi Patriarca-Papa de Alexandria e toda África. Sua tese de conclusão de curso foi sobre o Islamismo e Cristianismo, um estudo comparativo entre as duas religiões. Em 1939 formou-se e voltou para Alexandria, onde foi o Grande Arquimandrita. “Tudo caminhava para que eu servisse à ortodoxia no trono de São Marcos, quando, para minha surpresa, fui designado para servir ao trono de São Paulo. E minha missão se desviou para o Brasil.”

Falava e escrevia fluentemente árabe, francês, grego e português. Era, ainda, professor de teologia, filosofia, música bizantina, música ocidental, maestro de coro e grande apreciador das letras, das artes e das ciências humanas. Veio a falecer em agosto de 1997 e foi substituído pelo atual Metropolita, Dom Damaskinos Mansour.

A chegada de Dom Damaskinos Mansour

Dom Damaskinos Mansour chegou ao Brasil em novembro de 1992 na condição de Bispo auxiliar da Arquidiocese Ortodoxa Antioquina de São Paulo. Nascido em Damasco – Síria, em 1.949, fez os estudos elementares na Escola São João Damasceno, em Damasco. Viveu no Líbano de 1.960 a 1.975 e cursou a Escola Secundária de Balamand, no Líbano. No período de 1.970 a 1.974 fez os estudos acadêmicos, alcançando Licenciatura em Teologia pela Universidade de Balamand e Licenciatura em Literatura Árabe pela Universidade Libanesa de Beirute. Nessa mesma época foi professor de Catequese nas escolas da Arquidiocese de Trípoli (Líbano), sendo ordenado Diácono por Sua Beatitude, o Patriarca da Igreja Antioquina, Elias IV, em 1.974. 

De 1.976 a 1.980 fez o Mestrado em Teologia pela Universidade de Tessalônica, na Grécia, obtendo também Licenciatura em Arte Bizantina pelo Instituto de Estudos Balcânicos. Obteve Licenciatura em música pela Escola Eclesiástica de Tessalônica, na Grécia e nesse período foi diretor e professor na extensão da Escola Teológica da Universidade de Balamand na Grécia. Foi ordenado Sacerdote na Igreja de Santa Sofia, na Grécia, em 1.976 pelo Metropolita Panteleimon Rodopoulos, do Patriarcado Ecumênico.

De 1.980 a 1.986 esteve a serviço no Patriarcado Antioquino em Damasco; foi orador do Patriarcado e professor em sua escola. Em 1.984 recebeu o título de Arquimandrita, por Sua Beatitude o Patriarca Ignátios IV. Foi diretor de coro e professor de Música Eclesiástica na Arquidiocese de Damasco de 1.987 a 1.991; foi ainda Vigário Arquiepiscopal para a parte síria da Arquidiocese de Akkar.

Sob sua coroa foi construída a Igreja São Jorge, em Brasília – DF, igreja esta projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer.